Ementa disciplinar

DISCIPLINA GRADUAÇÃO GEOGRAFIA AGRÁRIA IGDEMA-UFAL (GEOGRAFIA LICENCIATURA E GEOGRAFIA BACHARELADO) GEOL019 e GEOB020.

 

EMENTA

O surgimento e o desenvolvimento da agricultura, vistos como fatores fundamentais na produção do espaço geográfico. O processo de desenvolvimento do capitalismo e as transformações na produção agropecuária e nas relações cidade-campo. Evolução da agricultura brasileira. A questão agrária e a questão agrícola. Os complexos agroindustriais e a pequena produção agrícola. Os movimentos sociais no campo.
 

OBJETIVOS
Discutir os fundamentos teórico-metodológicos da Geografia Agrária, analisando o desenvolvimento da agricultura; a distinção entre questão agrária e questão agrícola; a origem e evolução da divisão do trabalho campo/cidade; determinações na organização das atividades agrárias (relação sociedade-natureza, modo de produção, estrutura fundiária, mão-de-obra, mercado, políticas públicas, etc.); renda da terra (diferencial/absoluta/monopólio). Introduzir ao debate atual sobre as tendências sociais do mundo rural no Brasil, com ênfase nas relações de trabalho e nos movimentos sociais de luta pela terra.


CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
1. Geografia e Agricultura: “o ato de produzir é igualmente o ato de produzir espaço”
1.1 Origem da agricultura
1.2 Agricultura: produzir é produzir espaço
1.3 Distinção entre questão agrária e questão agrícola
1.4 Relação campo-cidade


2. A Agricultura sob o modo de produção capitalista
2.1 O modo de produção feudal
2.2 Transição do feudalismo para o capitalismo
2.3 De servo a camponês
2.4 De senhor a latifundiário

 

3. A Agricultura sob o modo de produção capitalista
3.1 O processo de desenvolvimento do capitalismo
3.2 Características do capitalismo
3.3 Relações de produção na agricultura sob o capitalismo
3.4 Renda da terra
- Renda absoluta
- Renda diferencial
- Renda de monopólio

 

4. Condições históricas e sociais que regulam o acesso a terra no Brasil
4.1 Colonização: das capitanias hereditárias as sesmarias
4.2 A lei de terras de 1850
4.3 O estatuto da terra de 1964
4.4 Os planos Nacionais de reforma Agrária

 

5. Estrutura da Propriedade, posse e uso da terra no Brasil
5.1 Estrutura Fundiária (área e estabelecimento)
5.2 Condição legal do produtor

 

6. A nova dinâmica da agricultura brasileira
6.1 O camponês
6.2 A agricultura familiar
6.3 Os complexos agroindustriais
6.4 Produção e circulação na agricultura (logística na agricultura)
- o mercado interno
- o mercado externo

 

7. A luta pela terra: Estado, movimentos sociais e reforma agrária
7.1 Histórico da luta pela terra no Brasil
7.2 Os movimentos de luta pela terra no Brasil
7.3 A reforma Agrária
7.4 Estudo de Caso: A reforma Agrária em Alagoas

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
ANDRADE, M. C. A questão do território no Brasil. São Paulo: HUCITEC, 1996.
ANDRADE, M. C. A terra e o homem no Nordeste. 5 ed. São Paulo: Atlas, 1995.
ANDRADE, M. C. de. Lutas camponesas no Nordeste. 2 ed. São Paulo: Ática, 1989. (Coleção Princípios)
CHAYANOV, Alexander. La Organización de la Unidad Econômica Campesina. Buenos Aires: Nueva Vision, 1974.
GRAZIANO DA SILVA, J. Estrutura agrária e produção de subsistência na agricultura brasileira. São Paulo: Hucitec, 1980.
GRAZIANO DA SILVA, J. Progresso técnico e relação de trabalho na agricultura. São Paulo: Hucitec, 1981.
GRAZIANO DA SILVA, José; STOLKE, Verena. A questão agrária. São Paulo: Brasiliense, 1981.
GRAZIANO SILVA, J. A modernização dolorosa. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.
GUIMARÃES, Alberto Passos. Quatro séculos de latifúndio. 5°ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.
IANNI. O. Origens agrárias do estado brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1984.
KAUTSKY, K. A questão agrária. Rio de Janeiro: Laemmert, 1968.
LENIN, Vladimir Ilich. O Desenvolvimento do Capitalismo na Rússia. 2. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1985.
MARQUES, M. I. M. Lugar do modo de vida tradicional na modernidade. In. OLIVEIRA, A. U. de; MARQUES, M. I. M. Campo no Século XXI: Território de Vida, de Luta e de Construção da Justiça Social. São Paulo: Paz e Terra, 2005, p. 145-158.
MARTINS, J. de S. O cativeiro da terra. São Paulo: Ciências Humanas, 1979.
MARTINS, J. de S. Os camponeses e a política no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1981.
MARTINS, José de Souza. Não Há Terra para Plantar nesse Verão: o Cerco das Terras Indígenas e das Terras de Trabalho no Renascimento Político no Campo. Petrópolis: Vozes, 1986.
MENDRAS, Henri. Sociedades camponesas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
MOURA, M. M. Camponeses. 2ª ed. São Paulo: Ática, 1988. (Coleção Princípios)
OLIVEIRA, A. U. de. Modo de produção capitalista, agricultura e Reforma Agrária. São Paulo: Labur, 2007.
OLIVEIRA, A. U. de. Agricultura e indústria no Brasil. In: Boletim Paulista de Geografia. São Paulo, n° 58, set. 1981.
OLIVEIRA, A. U. de. A agricultura camponesa no Brasil. 3 ed. São Paulo: Contexto, 1997. (Coleção Caminhos da Geografia)
OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. Geografia Agrária: Perspectiva no início do séc. XXI: In O Campo no Século XXI: território de vida
e de construção da justiça social. OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de; MARQUES, Marta Inez Medeiros. São Paulo: Casa Amarela; Paz e Terra, 2004, pg. 29-70.
OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino. Barbárie e Modernidade: As Transformações no Campo e o Agronegócio no Brasil. In: Revista Terra Livre. São Paulo: AGB, ano 19 n. 21, jul-dez, 2003, p. 113-156.
PRADO Jr, Caio. História econômica do Brasil. 10 ed. São Paulo: Brasiliense, 1967.
PRADO Jr. Caio. A Questão Agrária no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2000.
QUEIROZ, Maria Izaura Pereira. O Campesinato Brasileiro. São Paulo: Vozes, 1973.
SANTOS, José Vicente Tavares dos. Colonos do Vinho. São Paulo: Hucitec, 1978.
SHANIN, T. A definição de camponês: conceituações e desconceituações - o velho e o novo em uma discussão marxista. Estudos Cebrap - Trabalho e Dominação. São Paulo/Petrópolis: Cebrap/Vozes, 1980.
SHANIN, Teodor. La Classe Incomoda. Nueva Editorial, 1967.
THOMPSON, E. P. Costumes em comum. São Paulo: Campainha da Letras, 1998.
WILLIAMS, Raymond. A cidade e o campo: na história e na literatura. São Paulo: Cia das Letras, 1989
WOLF, Eric. R. Guerras camponesas do século XX. São Paulo: Global, 1994.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR
ABRAMOVAY, Ricardo. Paradigmas do Capitalismo Agrário em Questão. São Paulo: Hucitec. 1992.
ALTHUSSER. Louis. Análise Crítica da Teoria Marxista. Rio de Janeiro: Zahar. 1967.
CANDIDO, A. Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. São Paulo: Ed. 34, 2001. (Coleção Espírito Crítico)
CUNHA, Euclides da. Os sertões: campanha de Canudos. Rio de Janeiro: P. de Azevedo, 1965.
GARCIA Jr. A. R. O Sul: caminho do roçado- trajetórias de reprodução camponesa e transformação social. São Paulo: Marco Zero; Brasília/DF: Edunb/MDT/CNPq, 1989. (Coleção Pensamento Antropológico)
GAUDEMAR, Jean-Paul. Mobilidade do trabalho e acumulação de capital. Lisboa: Estampa, 1977.
GERMANI, G. Expropriados, terra e água: o conflito de Itaipu. Salvador: EDUFBA/ULBRA, 2003.
GERMANI, G. I. Cuestión agraria y asentamiento de población en el área rural: la nueva cara de la lucha por la tierra. Bahia, Brasil (1964 – 1990). Tese de Doutorado, Barcelona: Universidad de Barcelona, 1993.
GODOI, E. P. de. O trabalho da memória: cotidiano e história no sertão do Piauí. São Paulo: Unicamp, 1999. (Coleção Pesquisas)
GOHN, Maria da Gloria. Os sem-terra, ONGs e cidadania. São Paulo: Cortez, 2000.
HELLER DA SILVA, 0svaldo. Alguns Comentários sobre o Destino do Campesinato em Marx. Revista de Economia e Sociologia Rural. Ano 24(1). jan/mar. p. 101-146, 1986.
HOLANDA, Sergio Buarque. Raízes do Brasil. 12 ed. Rio de Janeiro: José Olimpio, 1978.
LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto. 2º ed. São Paulo: Alfa-Omega. 1975.
LEITE, Sérgio et al (Coords). Impacto dos assentamentos: um estudo sobre o meio rural brasileiro. Brasília: IICA, NEAD/ São Paulo: UNESP, 2004.
MARQUES, M. I. M. Terra e modernidade em assentamentos de reforma agrária. In. WOORTMANN, E. (Org.) Significados da terra. Brasília: Edunb, p. 255-286, 2004.
MARTINS, J. de S. A sociedade vista do abismo: novos estudos sobre exclusão, pobreza e classes sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.
MARTINS, J. de S. O Poder do atraso: ensaios de sociologia da história lenta. São Paulo, Hucitec, 1994.
MARTINS, José de Souza. Travessias: a vivência da reforma agrária. Porto Alegre: URGS, 2003.
MARX, K. Formações econômicas pré-capitalistas. Rio de janeiro, Paz e Terra,1975.
MARX, K. Manuscritos econômicos-filosóficos. São Paulo: Martin Claret, 2002.
MELO, Tarso de. Direito e ideologia: um estudo a partir da função social da propriedade rural. São Paulo: Expressão Popular, 2009.
MITRANY, David. Marx contra o camponês. Rio de Janeiro: Editora Ipanema, 1957.
MULLER, Geraldo. Estado, Estrutura Agrária e População. Petrópolis/RJ: Vozes, 1980.
OLIVEIRA, F. de. Elegia para uma re(li)gião: SUDENE, Nordeste planejamento e conflito de classes. 3 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1981.
PALMEIRA, M. A Diversidade da Luta no Campo: Luta Camponesa e Diferenciação do Campesinato. In: PAIVA, V. (Org). Igreja e questão agrária. São Paulo: Edições Loyola, 1985.
POLANYI, K. A grande transformação. Rio de Janeiro: Campus, 1988.
SABOURIN, Eric. Camponeses do Brasil: entre a troca mercantil e a reciprocidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2009. (Coleção Terra Mater)
SANTOS, M. Espaço e método. São Paulo: Nobel, 1985.
SANTOS, M. Espaço e sociedade (ensaios). Petrópolis: Vozes, 1979.
SANTOS, M. Metamorfose do espaço habitado. 3 ed. São Paulo: Hucitec, 1994.
SANTOS, M. Por uma Geografia Nova. 3 ed. São Paulo: Hucitec, 1990.
SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo globalização e meio técnico-cientifico informacional. São Paulo: HUCITEC, 1994.
SHIRAISHI NETO, Joaquim (org). Direito dos povos e das comunidades tradicionais no Brasil. Manaus: EdUFAM, 2007.
THOMPSON, E. A Formação da Classe Operária Inglesa. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1989(a).
THOMPSON, E. Tradición, Revuelta y Consciência de Clase. Barcelona: Editora Crítica, 1989(b).
WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel. Raízes históricas do campesinato brasileiro. In: Encontro Anual da ANPOCS,1996.
WOORTMANN, E. Com parentes não se neguceia: o campesinato como ordem moral. In. Anuário Antropológico. Brasília: Edunb; Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, n. 87, 1990, p 11-73.
WOORTMANN, E. Herdeiros, parentes e compadres. São Paulo: Hucitec; Brasília: Edunb, 1995.